Vistas da exposição
1 de 7
Obras
Slideshow
1 de 14
Thumbnails
Texto

13/10 – 16/12 2017


A Mendes Wood DM tem o prazer de apresentar a primeira exposição individual de Kishio Suga na Bélgica.

Kishio Suga é um dos artistas mais celebrados do Japão, cuja produção diversificada e influente vai de instalações site-specific à assemblage e à performance.

Sua carreira se iniciou em 1968, quando ele começou a criar instalações efêmeras a partir de materiais como madeira, metal, arame e concreto. Ele teve um reconhecimento rápido por trabalhos como Parallel Strata [Estratos Paralelos] (1969), um invólucro retangular construído com placas de parafina. Ao introduzir no espaço da galeria uma estrutura incôngrua, embora bem definida, de material bruto, ele buscava revelar a realidade das mono (coisas/materiais) e a jōkyō (situação) que as mantém unidas.  Com essas instalações e com escritos influentes como The Start of Disappearance: As Things Deny Things  [O começo do desaparecimento: Enquanto as coisas negam as coisas] e Existence Beyond Condition [A existência além da condição] (1970), Suga foi identificado como um teórico importante dentro de um grupo disperso de artistas com pensamento semelhante, que mais tarde veio a ser conhecido como Mono-ha (Escola das Coisas). Embora curto, esse movimento foi um importante ponto de virada na história da arte japonesa do pós-guerra, espelhando o desenvolvimento concomitante da Land Art, da Arte Povera e do movimento Supports/Surfaces nos Estados Unidos e na Europa, mas fundamentado em um contexto intelectual e cultural especificamente japonês.

No chão, no centro desta exposição, está Placement of Stone Entities [Posicionamento de entidades de pedra] (1982/2017), um arranjo de blocos de pedra ligadas por tiras de papel preto. Essa é a primeira vez em que Suga refez esse trabalho desde a sua concepção original na Universidade de Arte Tama, em Tóquio, em 1982. Normalmente, ele descarta suas instalações ao final de cada exposição e as refaz de acordo com a escala e as características de cada novo espaço. Paralelamente ao seu trabalho de instalação, Suga também fez assemblages de madeira, metal, tinta, tramas, pedra, papel e inúmeros outros materiais. Essa exposição contém um panorama compacto desse trabalho, exibindo de pequenos relevos feitos nos anos 1970 às suas construções de grande escala mais recentes.

Kishio Suga nasceu em Morioka, na província de Iwate, em 1944, e vive e trabalha em Ito, na província de Shizuoka. Suas mais importantes exposições individuais dos últimos dois anos incluem: Pirelli HangarBicocca, Milão (2016); Dia: Chelsea, Nova York (2016); e o Museu de Arte Contemporânea de Tóquio (2015). Ele participa frequentemente de exposições panorâmicas internacionais. Uma recriação de sua instalação pioneira ao ar livre Law of Situation [Lei da Situação] (1971) está sendo exibida no estaleiro Gaggiandre na 57a Bienal de Veneza até 26 de novembro de 2017, e seu trabalho está na mostra Japanorama. New vision on art since 1970 [Japanorama. Nova visão sobre a arte desde 1970], no Centro Pompidou de Metz, até 5 de março de 2018. Outras mostras coletivas recentes incluem Karla Black and Kishio Suga: A New Order [Karla Black e Kishio Suga: Uma nova ordem] na Scottish National Gallery of Modern Art, Edimburgo (2016); Prima Materia, Punta della Dogana, Veneza (2013); Parallel Views: Italian and Japanese Art from the 1950s, 60s, and 70s [Visões Paralelas: Arte italiana e japonesa dos anos 1950, 60 e 70], The Warehouse, Dallas (2013); e Tokyo 1955-1970: A New Avant-Garde [Tóquio 1955-1970: Uma nova vanguarda], Museum of Modern Art, Nova York (2012). 

Menu