Vistas da exposição
1 de 22
Texto

19/01 – 07/04 2018


Mimolette
é um processo de fermentação de ideias. O processo consiste em segurar a respiração, especialmente naqueles momentos em que são tantos os pensamentos e as ideias que a cabeça está prestes a explodir. É nesse momento de quase explosão que o efeito Mimolette funciona melhor.

– Mariana Castillo Deball


Um livro não é um suporte vagamente plano e neutro que serve para a simples documentação do trabalho de alguém. Um livro é uma experiência física com massa, tamanho, flexibilidade e legibilidade que se desenvolve ao longo do tempo e no espaço.  Mas se isso soa tão óbvio, por que existem tão poucos designers que realmente entendem isso? Cada design de Manuel Raeder é, em si, uma surpresa e explora como as características sensoriais do design podem corresponder à natureza específica do trabalho em questão, sempre com uma sensibilidade extraordinária e uma tendência invariável em criar uma completude aberta em vez de uma parcialidade fechada.

– Daniel Steegmann Mangrané


Você quer mesmo trabalhar com esse cara? Ou será que ele quer mesmo trabalhar comigo (seria outra forma de fazer essa pergunta)? Algumas vezes, passamos de 4 a 5 horas no Skype olhando para a tela um do outro, analisando as possíveis 280 páginas até que um de nós dissesse: Estou com fome. Continuamos amanhã? A que horas?. Foram muitos os prazos, mas de alguma forma, apesar de tudo, conseguimos. Cada página do livro trás lembranças de piadas, reflexões, soluções, comentários que fizemos. Mas tudo valeu a pena. 

– Otobong Nkanga


vale montanha braço    
          montanha braço vale
     montanha braço montanha         
               braço vale perna
montanha 
   braço

– Dominique Gonzalez-Foerster


Na primavera de 2002, eu estava no auge da minha preparação para a documenta11, com meu filme Shoes for Europe, que estava prestes a ser estreado na mostra. Nessa época, eu estudava na Jan Van Eyck Academy e o Manu estava me ajudando. Eu não tinha muita experiência com mostras grandes nem o Manu, mas como ele tinha se formado em Londres, para mim, o Manu era um especialista. A primeira coisa que ele propôs foi um pôster: Se é um filme, você tem que ter um pôster!. E o Manu fez um pôster incrível! E disse: Cara, você precisa de um cartão de visitas, e ele fez uma edição limitada de cartões 11x18cm com meus dados em fragmentos do pôster. Outros amigos aconselharam: Para esse tipo de ocasião, você precisa de um terno. Então, eu comprei um terno novo. Portanto, para a abertura em Kassel, eu estava muito bem munido com meu terno novo e os bolsos lotados de cartões, pronto para que me pedissem meus dados para contato. O filme foi muito bem recebido e resultou em várias resenhas na imprensa etc. Bem, meu terno ainda está lá com os bolsos cheios de cartões de visita. A d11 foi a primeira documenta que usou e-mail e, provavelmente, essa foi a razão de eu não ter tido a chance de impressionar com meu primeiro cartão de visitas. Eu e o Manu ainda rimos com isso tudo.  

– Pavel Braila


Uma transição exemplar, uma membrana acolchoada de palha entre você e uma cadeira perfeitamente projetada é como o interior de um nó. Dá para dormir ali.

– Nora Schultz


O Estúdio Manuel Raeder é um estúdio de design interdisciplinar situado em Berlim desde 2003. Suas atividades incluem uma vasta gama de formatos que exploram as fronteiras entre exposições, efêmeras, livros, design de fontes, edição, publicação, design de móveis e práxis curatorial.

O Estúdio Manuel Raeder aborda a construção de narrativas na forma de livros e de  design de exposições e comunicações. Os livros podem ser usados como vetores de informação ou dispositivos experimentais para documentar ou conceber narrativas. Do mesmo modo, o design de exposições pode ativar diferentes experiências sensoriais, conduzindo o leitor por uma narrativa espacial. O estúdio se interessa pelo significado do livro no espaço, em arquivos e também no futuro das bibliotecas. A maioria das peças de mobiliário e os vários sistemas expográficos surgem como questionamentos sobre como lidar com livros e arquivos no espaço.

Nos últimos 15 anos, o Estúdio Manuel Raeder esteve envolvido no design, publicação e edição de mais de 150 livros de artistas em estreita colaboração com os respectivos artistas. Também foi responsável pela estratégia de comunicação e identidade gráfica de várias instituições culturais e galerias, incluindo Kölnischer Kunstverein (2007-2011), Kunstverein München (2010-2015), Para Site Hong Kong (2012-2014), Artists Space, Nova York (desde 2009), Galerie Neu, Berlim (desde 2005), Mendes Wood DM, São Paulo/Bruxelas/Nova York (desde 2014) e kurimanzutto, Cidade do México (desde 2016), bem como a marca de moda alemã BLESS (desde 2004).

Além disso, em 2011, Manuel Raeder fundou a editora BOM DIA BOA TARDE BOA NOITE para distribuir e publicar trabalhos de artistas que têm um forte interesse em explorar o formato de livro de artista. Nesse sentido, o estúdio desenvolveu colaborações estreitas com artistas, tais como Daniel Steegmann Mangrané, Mariana Castillo Deball, Haegue Yang, Nora Schultz, Danh Vo, Heinz Peter Knes, Leonor Antunes, Abraham Cruzvillegas, Eran Schaerf e Sergej Jensen, entre outros.

Menu